quarta-feira, janeiro 31, 2007

Seriedade

9 Comments:

Anonymous João Simão said...

Ouvi há pouco na rádio que para que não haja mais abortos clandestinos se deve legalizá-los, dar carta branca (até às 10 semanas!!!).
SE TODAS AS ACÇÕES DE "DESMANCHE" HUMANO QUE OS SERES HUMANOS PRATICAM FOSSEM LEGALIZADAS SÓ PARA NÃO SEREM CLANDESTINAS E SE REALIZAREM EM LOCAIS COM MELHORES CONDIÇÕES PARA A SAÚDE TERÍAMOS CLÍNICAS OFICIAIS DE TRÁFICO DE ÓRGÃOS OU MUTILAÇÃO GENITAL FEMININA!!!
Eu não sou a favor do aborto clandestino nem do legal! O dever do Estado não é acabar com os abortos clandestinos, é tentar acabar com o ABORTO.

10:54 da tarde, janeiro 31, 2007  
Anonymous João Simão said...

E como acabar com o aborto???
Fazendo o possível e não os impossíveis, porque não é de um dia para o outro (e nem com a legalização o aborto clandestino vai desaparecer, vai uma aposta?): financiando locais de acompanhamento das mulheres, subsidios para as famílias carenciadas, etc... puxem pela imaginação, MAS MATAR É QUE NÃO!

10:57 da tarde, janeiro 31, 2007  
Anonymous Anónimo said...

Caro João Simão,

Só se mata uma coisa quando esta está viva. Como o começo da Vida é subjectivo e não consensual, para algumas pessoas pode não ser esse o termo.

Cumps.

4:54 da manhã, fevereiro 01, 2007  
Anonymous Anónimo said...

Mais, baseando-me em factos clínicos creio, pessoalmente, que às 10 semanas trata-se não de uma Vida mas uma Vida em potência. Se assim formos também estariamos a "matar" sempre que se usasse um método contraceptivo como o preservativo, pilula, pilula do dia seguinte, pois estariamos também a impedir de se formar uma Vida, logo a "matar".

Apoio que se deve escolher a maternidade de acordo com os desejos das pessoas, casais, etc.

Eu voto SIM!

4:57 da manhã, fevereiro 01, 2007  
Anonymous Anónimo said...

Interrupção da gravidez!!! Interrompendo ás 10 semanas, quando engravidar outra vez começo na 10ª semana?? E o bébé é o mesmo??? Não!!! então penso que interrupção é uma forma "simpática" de dizer que se mata o feto (uma vida humana). E a forma como se faz o aborto alguém tem conhecimento? A “Carta à minha mãe" pode ser dura mas é a realidade INFORMEM-SE, leiam, procurem. O acto é tão violento para a mãe como para o feto, ambos sofrem. Futuramente este acto, de o chamado politicamente correcto de interrupção à gravidez, vai ter consequências psíquicas, é só ouvir testemunhos de quem já o fez.
E os hospitais com esperas infinitas de doentes para serem operados com doenças graves?? E o que isto vai custar ao estado e a NÓS? E porque o estado não nos financia mais na nossa saúde e comparticipa na morte de uma vida humana? Bem, penso que há uma grande falta de informação em todo este processo e se está a tratar de um assunto grave com muita leviandade, os países que liberalizaram o aborto estão a voltar com a palavra a traz, porque será?
Podemos ainda questionar se matamos o feto, que já é vida, porque não podemos recorrer a eutanásia? A temática é igual, a troca da vida pela morte!!!!! Mas aqui é mais justo porque é a própria pessoa a faze-lo!!!
Na realidade é só trocar os nomes as coisas e levar a água ao seu moinho!!! A liberalização é a meu ver um acto leviano a uma consequência…..MATAR

10:02 da manhã, fevereiro 01, 2007  
Anonymous Anónimo said...

A minha séria opinião dá-me vontade de rir....
Desculpem mas é verdade!!

Quando se constroi uma casa, começa-se pelos alicerces e não pelo telhado.

Se compararmos a vida sexual a uma casa, o problema do aborto é o telhado e os alicerces são a prevenção.

Quando comecei a minha vida sexual, comecei pelos alicerces e assim construí a minha "casa".

Um estado que não investiu na prevenção, um estado que não investiu na informação e formação sexual das crianças e dos homens e mulheres, como é que quer referendar um assunto para o qual as pessoas não estão preparadas para debater?

A "casa" vai ruir e o aborto clandestino nunca vai deixar de existir mesmo que o liberalizem.

É com certeza surpreendente para todas as mulheres de hoje com alguma formação escolar acreditarem que que existão outras que não saibam o que é um anticoncepcional ou que se possa engravidar numa relação sexual fortuita. Mas acreditem porque existem. E é aí que se devem envidar todos os esforços governamentais, religiosos e pessoais de formar e informar estas pessoas.

Acredito tambem que cada caso de aborto é unico e os há para todos os gostos.

A mim não me apetece nada estar a "pagar" nos meus impostos um aborto a uma mulher que até tinha todo o conhecimento do que poderia acontecer mas naquela noite apeteceu-lhe dar uma "queca" com aquele tipo porque ele era giro e tinha um bom carro.

Porque meus caros e minhas caras é isso que vai acontecer e a mior parte dos que se fazem é por esse motivo e outros similares.

4:22 da tarde, fevereiro 01, 2007  
Anonymous João Simão said...

Gostaria de intervir mais uma vez perguntando o seguinte: se até vírus e bactérias são considerados seres vivos só porque têm metabolismo, como é que se pode afirmar que o começo da vida é subjectivo e não usar os termos que usei? Será o feto uma coisa morta? Isso ninguém pode afirmar, poquer é uma "coisa humana" (citando Lídia Jorge) que mexe, se desenvolve e cresce de dia para dia a olhos vistos!!! É uma "coisa" viva!!! Portanto destruir uma coisa viva é matar (nem que seja uma aranha no canto da minha sala). A questão agora é a de saber que "coisa humana" é essa!!! Para mim é um ser humano! Mas mesmo para aqueles que assim não o consideram pensem que era um animal em vias de extinção! Está tão na moda defender os bichos que estão a acabar (até quase que forçam os pandas em cativeiro a ter filhos, só para dar um exemplo)!
Podiam defender este "bicho" ou esta massa viva que as mães trazem dentro de si, para não termos mais tarde de fazer como o estado alemão, que dá dinheiro por cada massa humana, ou coisa, ou bicho, ou pessoa (na minha óptica) que vem ao mundo!
Uma coisa é certa e para acabar: O FETO NÃO É UMA COISA MORTA SENÃO NÃO SE DESENVOLVIA! LOGO...

10:14 da tarde, fevereiro 01, 2007  
Anonymous João Simão said...

E para bom entendedor meia palavra basta!

10:16 da tarde, fevereiro 01, 2007  
Anonymous Anónimo said...

Olha João Simão, eu só não te dou um valente excerto de porrada porque eu não te conheço, porque tu és estúpido és preconceituoso, és cínico...
À coisas que nem deviam ser publicadas na Internet, sinceramente não vejo nenhum ARGUMENTO no que tu dizes...
Não tens conhecimento nenhum do que é "planeamento familiar" e "família", se soubesses um bocadinho que fosse de alguma coisa não dizias o que disseste...
GRAÇAS A DEUS O SIM GANHOU, e assim vais ter menos um motivo para te rires...
O Aborto deixa de ser um crime e para todas aquelas pessoas que tiveram a liberdade em jogo por causa de uma opção a vida agora é mais justa...
Queres responder eu até deixo o meu email: joao.malheiro13@portugalmail.pt, isto claro se tiveres resposta...
ADEUS

10:38 da manhã, abril 18, 2007  

Enviar um comentário

<< Home